DORMI A NOITE TODA - A FAMÍLIA E O PRIMEIRO MÊS

Confesso que levei algum tempo a preparar este post. Acontece que à medida que ia escrevendo sobre quais os meus "truques" para a fazer com que os meus filhos dormissem a noite toda surgia sempre mais alguma coisinha e quando dei por mim já tinha um texto gigante, em que ler tudo de uma assentada seria impraticável. Sendo assim, resolvi dividir a coisa em quatro posts:
1- a família e o primeiro mês
2- rotinas, swaddle e choro
3- alimentação, arrotar e cólicas
4- sono e picos de crescimento 

Mas antes de começar aqui a debitar informação quero referir que o mais importante é que se sintam confortáveis e confiantes com a metodologia utilizada (seja ela qual for) e que o fato de ter resultado comigo e com os meus filhos não quer dizer que vá resultar convosco. Não sei... se alguma das minhas dicas vos ajudar e ajudar os vossos pequeninos já fico muito feliz. 
Então aqui vai... 

A FAMÍLIA 
Hoje somos uma família numerosa (aí, sempre quis dizer isto) e, para além do bebé, gerir duas crianças com 5 e quase 8 anos requer alguma perícia, logo a logística e tranquilidade já são muito diferentes do que com apenas um bebé para cuidar. Sou só eu e o pai e temos mesmo que dividir as tarefas. Uma dica muito importante: formar uma equipa
Por cá, nos primeiros tempos o pai encarrega-se das refeições e de entreter muito os miúdos com atividades e programas que gostem. Eu encarrego-me do bebé e de dormir sempre que consigo. Em relação aos manos vou sempre solicitando a sua ajuda para que eles se sintam integrados e responsáveis na vida do bebé (por exemplo, ajudar no banho, a pôr a fralda, dar o beijinho de boa noite ou de bom dia, escolher a roupa,...) e assim, evito que ponham o amor dos pais em causa ou que hajam crises de ciumeira.

O PRIMEIRO MÊS
No primeiro mês não recebemos visitas em casa e só saímos para ir ao pediatra e fazer o teste do pezinho. 
Não é um mês fácil, pois a adaptação às rotinas não é de um dia para o outro. Eu estou a conhecer o meu bebé, as suas características e ele está a adaptar-se a um novo mundo fora da barriguinha. 
Quando tive a Nônô (a minha primeira filha) recebemos visitas e jurei a mim mesma que nunca mais ia passar por aquilo. Havia muito movimento na casa, sempre a preocupação de ser bom anfitrião, arrumar a casa, fazer um chá, preparar um almoço, vestir qualquer coisa apresentável,... As pessoas queriam ver o bebé, mexer, pegar, conversar,... e um bebé muito pequeno quando é estimulado em demasia fica extremamente cansado e chora que se farta - o que dá origem a muita dificuldade em acomodar-se e adormecer. Eu chegava ao fim-do-dia de rastos e esgotada. A bebé ficava irritada, inconsolável, chorava muito e eu também acabava as minhas noites a chorar e a sentir-me impotente e sem forças para cuidar dela. 


O REI VAI NU também está no FACEBOOK e INSTAGRAM









Sem comentários:

Enviar um comentário